Histórico

/Histórico
Histórico2017-04-11T07:29:40+00:00

No ano de 1917, as Irmãs Carmelitas da Divina Providência – Congregação Religiosa fundada por Madre Maria das Neves em 1889 – vieram para Viçosa dedicar-se ao serviço do Reino de Deus, na Educação, a convite de autoridades viçosenses. Com a missão de formar mentes e corações para a vivência dos valores humano-cristãos, com liberdade e com responsabilidade, o Colégio Nossa Senhora do Carmo é uma Comunidade Educadora e Missionária a serviço da Igreja de Viçosa e do Brasil.

Assim começou a história do Carmo Viçosa…

Em 10 de outubro de 1913, o “Gymnasio de Viçosa” foi instalado pelo professor Alípio Peres, a convite do Dr. Arthur da Silva Bernardes.

Em 10 de março de 1914, foi criada a “Escola Normal Regional”, anexa ao Ginásio, que atendia a moças e a rapazes. Ambas as escolas tiveram como Diretor, inicialmente, o professor Alípio Peres.

A 6 de setembro de 1916, a Superiora Geral das Irmãs Carmelitas da Divina Providência, Irmã Bernadete da Imaculada Conceição, recebeu do Deputado Estadual Dr. Emílio Jardim de Rezende uma carta, convidando a Congregação para assumir a Direção da Escola Normal.

As Irmãs Carmelitas chegaram a Viçosa em três de fevereiro de 1917 e receberam, oficialmente, do Deputado Federal Dr. Arthur da Silva Bernardes a Direção da Escola Normal Nossa Senhora do Carmo, cabendo-lhes, também, a sua manutenção.

Irmã Joana D’Arc, no livro: Madre Bernadete da Imaculada Conceição: uma chama em nossa trilha, assim descreve essa fundação, que só foi possível graças à confiança das Irmãs na Divina Providência, apesar de todas as suas limitações:

E, embora a pequena cidade pouco prometesse, do ponto de vista material, e as condições de alojamento e de manutenção que se lhes ofereciam fossem precárias, decide-se, corajosamente, a enviar as primeiras Religiosas, o que se deu a dois de fevereiro de 1917. Confiando a direção do estabelecimento à Irmã Maria Verônica de Santa Face, Madre Bernadete escolhe mais quatro Irmãs para constituírem a pequena Comunidade: Irmã Maria Antônia de Pádua, Maria Catarina de Sena, Maria Inês de Nossa Senhora de Lourdes e Maria Auxiliadora e, ainda, uma postulante.O futuro diria quão acertado fora esse passo arrojado da virtuosa Madre, pois muitos benefícios de ordem material e espiritual adviriam à Congregação, por meio da primeira Escola Normal que se abria, entre tantas dificuldades e provações, em 1917 (2012, p. 46).

A então denominada “Escola Normal Nossa Senhora do Carmo” foi inaugurada a 3 de maio de 1917, e sua primeira diretora, Irmã Maria Verônica de Santa Face, assumiu com zelo sua nova missão. As primeiras Irmãs recém-chegadas se dedicaram a imprimir, na formação das alunas, a marca da educação Carmelita, que se tornou tradição e parte da cultura e da fé entre o povo de Viçosa e região nesses quase cem anos de serviço à educação.

A nova e definitiva sede da Escola Normal Nossa Senhora do Carmo passou a ser, em 1919, o prédio onde funcionava a Fábrica de tecidos Santa Maria, à Rua das Vassouras, hoje Virgílio Val, número 118, após a bênção das dependências pelo Padre Serafim Pecci. Desde então, a “casa rosa”, reformada e adaptada para a Escola, foi adquirida pelas Irmãs e quitada, onze anos depois.

De 1930 a 1932, o Colégio passou a chamar-se Escola Normal Oficial, sendo mantido pelo governo do Estado de Minas Gerais, por iniciativa do Senador Arthur Bernardes. Entretanto, em 1932, as Irmãs, tendo como Superiora Geral a Madre Maria Madalena de Pazzi, iniciaram o processo de desoficialização do Colégio, por estar insustentável a sua manutenção nas mãos das religiosas. Com a derrota da política dos mandatários, Dr. Arthur Bernardes e Dr. Emílio Jardim, as autoridades do governo estadual, colocaram os interesses políticos acima das promessas feitas de nomeação das Irmãs para a administração da Escola.

No ano de 1936, foi lançada a pedra fundamental de um novo pavilhão de dois andares, destinado a dormitório e a salas de aula. O novo prédio só foi concluído na década de 1960.

Assim, a Escola foi se ampliando, em seu serviço à educação em Viçosa e região. Em 1946, foi criado o Curso Ginasial e, em 1947, o Curso de Formação de Professoras. Em 1966, começaram a funcionar cursos noturnos de 1o e 2o graus, para atender aos alunos que trabalhavam durante o dia. Em 1967, foi totalmente abolido o internato de alunas.

A Escola, que, inicialmente, recebia apenas crianças, adolescentes e jovens do sexo feminino, passou a acolher clientela mista. Na década de 1970, foi criada a Escola Estadual Madre Santa Face, que funcionou nas dependências do Carmo, tendo, mais tarde, sua sede provisoriamente transferida para a Liga Operária Viçosense e, depois, para a sede definitiva, à Rua Dona Gertrudes. Entretanto, o Carmo continuou a oferecer os níveis de ensino do Pré-Escolar ao Segundo Grau.

Em 1975, a entidade foi declarada de Utilidade Pública Municipal e, em 1977, foi declarada de Utilidade Pública Federal. Havendo necessidade de adequar o Estatuto da Entidade às normas do Novo Código Civil, em 2004 passou a denominar-se “Colégio Nossa Senhora do Carmo”.

Assim, através dos tempos, pela liderança das Irmãs Carmelitas, o Colégio Nossa Senhora do Carmo consolidou-se, não só pelo alto nível de ensino, mas, principalmente, pelo serviço dedicado à formação integral de seus alunos, destacando-se entre as escolas particulares do município.

Em 2005, o Carmo iniciou o Ensino Médio, proporcionando ensino de qualidade aos alunos, o que se comprova pela expressiva aprovação em vestibulares e no ENEM.

Atualmente, o Colégio Nossa Senhora do Carmo tem a Irmã Sônia Maria Estevam à frente da Comunidade Educativa, junto a uma equipe de Irmãs Carmelitas, e conta com um número expressivo de educadores dedicados e qualificados. Uma comunidade a serviço da formação integral do educando, que procura orientá-lo para uma vida consciente e para a escolha de valores que norteiem sua integração na sociedade, formando colaboradores para a Igreja e para a Pátria.