PRINCÍPIOS FILOSÓFICOS

Comunicar a contemplação, isto é, olhar e amar com o olho e com o coração de Deus – eis o fundamento da missão carmelita – que, de um jeito próprio de educar, realiza a Educação em suas diversas modalidades.

O Colégio Nossa Senhora do Carmo de Viçosa, como todas as outras escolas carmelitas, é uma Instituição confessional dirigida pelas Irmãs Carmelitas da Divina Providência e tem como principal meta a formação humana e cristã dos seus educandos, mediante valores imutáveis de sua identidade na educação, através de linhas inspiradoras, como:

O aspecto Cristológico: Jesus Cristo é o princípio e o fim de toda a Educação Carmelita, que busca levar educadores e educandos a assimilar os ensinamentos do Mestre por excelência. A presença de Jesus Cristo, não só como o Mestre dos Mestres, mas também como o próprio Filho de Deus feito homem, é reverenciada e invocada em momentos de celebrações entre alunos e professores. E seus ensinamentos evangélicos, a Boa Nova, sempre tão atuais, tornam-se luz para a prática pedagógica nos Colégios do Carmo.

O aspecto Marial: Os Colégios da Congregação trazem o nome de Maria, invocada com o título de Nossa Senhora do Carmo. Para a Educação Carmelitana, essa “marca Marial” é forte elemento pedagógico, quando, na realidade do dia a dia da Escola, o exemplo de Maria se torna para o educador e para o educando um apelo sempre renovado, levando-os a manter uma atenção de constante escuta amorosa de Deus e dos irmãos diante da vida em suas diversas situações. Ela ensina a estar atento às possibilidades de respostas aos desafios que provêm da própria dinâmica da vida. Assim, Maria se faz um símbolo da escuta, do confronto e da ação; elementos que compõem a filosofia da Educação Carmelita do jeito de Maria.

A confiança na Divina Providência: O apelo à Divina Providência, título acrescentado ao nome da Congregação das Irmãs Carmelitas, supõe abandono e confiança profunda em Deus, o Senhor da História. Essa denominação caracteriza o jeito próprio da Educação Carmelita – a tranquilidade gerada pela confiança na providência divina faz surgir a alegria de quem se sente seguro e acolhido e, portanto, capaz de acolher. Tudo isso, vivido na simplicidade do dia a dia, torna-se elemento facilitador de toda estrutura escolar, fazendo da Escola uma grande família.

A figura de Elias: O profeta Elias, uma figura bíblica do Livro dos Reis, é um modelo daquele que luta em defesa da vida, a favor da justiça, da esperança e de paz; ideais que só podem ser atingidos mediante profunda experiência de Deus. A prática pedagógica da educação carmelita pressupõe uma escuta cautelosa da Palavra de Deus; escuta que prepara a palavra e que possibilita o diálogo capaz de construir novos métodos mais adequados às novas exigências da realidade. Nesse sentido, o Carmo foi e continua sendo significativo para o mundo, a exemplo de Elias, cuja ação profética é inspiração para o homem que sonha com um mundo comprometido com a justiça e com a fraternidade.

O escudo do Carmo: O escudo é um símbolo que representa uma síntese de todo o rico patrimônio histórico carmelita. Nesse escudo, a presença do monte – o Monte Carmelo – sugere intensa escalada, em busca da perfeição: do Deus e Pai de Jesus, a quem serviram Maria, Elias e as Irmãs Carmelitas da Divina Providência que, ontem e hoje, procuram trilhar esse caminho. Nessa subida, cada indivíduo se torna autor de seu próprio desenvolvimento, de sua própria ascensão, pois a vida requer caminhada contínua, mas só é possível caminhar partilhando amor e fé.

No processo educativo, os alunos e educadores, quando ensinam e aprendem, realizam uma subida constante e progressiva para a felicidade e a realização plena em Deus, apoiados uns nos outros. E, a cada estância da escalada, encontram novos motivos para ir em frente, em busca do saber, das perguntas e das respostas, sempre de olhos voltados para a novidade que só será encontrada pelos que se põem a caminho.

O educador carmelita é pessoa inconformada; é o peregrino que busca e quer chegar ao cume da montanha, para ver melhor a realidade e encontrar meios de transformá-la.

A educação carmelita instiga o educador a sair do imobilismo e a subir passo a passo até o cume do “Monte”, sem jamais se acomodar.

O aspecto Cristológico e Marial, a fé na ação da Divina Providência, a atenção à figura de Elias e a simbologia do “Monte”, no Escudo do Carmo, constroem uma identidade própria da educação carmelita, na vivência fraterna, na fé e na luta por uma sociedade justa e pacífica.

No contexto atual, de expressiva presença de educadores leigos nos Colégios, mais do que nunca, os valores próprios da educação carmelita são preservados, reforçados e partilhados, a fim de que todos – religiosas e leigos – caminhem na mesma e única direção.

PROCESSO PEDAGÓGICO

O processo pedagógico favorecerá uma educação que anime a ação aliada à contemplação, ajudará o ser humano a criar um futuro no qual se fechará cada vez mais o hiato entre o que diz e o que faz, entre o que quer e o que obtém; facilitará a escolha entre o fazer, o ter e o ser e garantirá uma vida orientada pela Sabedoria.

Principais instrumentos pedagógicos:

  • A didática atualizada para a transmissão dos conteúdos curriculares, buscando preparar bem o educando para a vida;
  • o acompanhamento personalizado do educando, ajudando-o no autoconhecimento, desenvolvimento de suas potencialidades, canalização de suas energias;
  • o elo entre a teoria e a prática; entre a sabedoria, a cultura, a arte e a técnica; entre o saber e o viver;
  • o cultivo da autodisciplina como meio formativo;
  • a interdisciplinaridade, buscando os aspectos complementares das aprendizagens diversas;
  • a avaliação continuada como parte integrante do processo ensino-aprendizagem;
  • a simplicidade e a sobriedade em todas as ações, buscando o essencial sobre o supérfluo, evitando o consumismo.